Graças a internet e aos avanços tecnológicos atualmente disponíveis, nossa geração vem assistindo a disseminação da convergência entre comunicação e geografia. Não que isso seja uma novidade, já que os mapas, desde os seus primórdios, são por natureza um meio de comunicação.

Ocorre que, em tempos onde a conectividade e a localização passaram a ganhar importância econômica para grandes corporações – a exemplo de Google, Apple e Facebook, só para citar três – no qual elas sabem e monitoram melhor do que qualquer governo a sua mobilidade no território, os seus hábitos de consumo e, não se iludam, até de como você pensa; tudo isso, graças aos mais diversos dispositivos portáteis ofertados no mercado.

Intrínseco a isto estão a oferta e o consumo de serviços baseados na geolocalização. Tanto empresas privadas quanto públicas vem facilitando as nossas vidas com a disponibilização de conteúdos importantes, por quê não, essenciais ao cotidiano.

Pois bem, após essa longa introdução, chegamos ao ponto que queríamos, ou seja, falar dos Web Maps.

Conceitualmente, os mapas da web se constituem num processo de utilização de mapas interativos provenientes de sistemas geográficos de informação servidos e consumidos através da internet. Isto se apresenta mais importante do que a própria cartografia histórica e estática; uma vez que, a partir do instante em que os dados e as informações geográficas são disponibilizadas na web, o usuário escolhe o que quer ser visto, interagindo com o mapa na busca pela compreensão das diversas possibilidades, a depender das camadas/layers expostos.

Convém destacar que, embora possam parecer a mesma coisa, os termos Web Map e SIG Web não os são. Este último carrega consigo o fato de possuir uma natureza analítica, incluindo algoritmos superficiais de análises, como por exemplo, a geração de buffers.

Diante disso, este artigo mostrará de forma sucinta, como publicar de maneira rápida e fácil um mapa na internet usando o software livre QGIS.

O processo de publicização do Web Mapping através do QGIS se dá por meio do plugin QGIS2WEB que é encontrado no menu de complementos do sistema.

Clique no menu Complementos > Gerenciar e Instalar Complementos…

menucomplementos

No campo de busca digite o nome do plugin: qgis2web, em seguida, selecione-o e clique em Instalar Complemento. Feche a janela ao término da instalação.

instalarplugin

Depois de instalado, carregue as camadas que deseja publicar. Neste artigo usei as localizações das escolas públicas estaduais e municipais existentes no município de Maceió.

layers

Para abrir a aplicação clique no menu Web > qgis2web > Create web map

qgis2webplugin

Na guia Export, marque as camadas que devem ser publicadas [1]. Isso só é válido para as camadas vetoriais.

No menu suspenso Data export, no campo Exporter, selecione a opção Export to folder e aponte o diretório [2] onde os dados devem ser salvos.

guiaexport

No menu suspenso Scale/Zoom, no campo Extent [3], selecione a opção Fit to layers extent para que, quando os dados forem exportados o zoom possa se ajustar a eles. Caso prefira que o zoom se adeque ao nível de zoom aplicado à tela de visualização do seu QGIS, selecione Canvas extent.

guiaexport2

No menu suspenso Appearance, ficam as opções do que será mostrado no seu Web Map. Então, fica a seu critério escolher o que julga ser relevante ao seu público. Abaixo, explico para que servem cada opção.

[4] Adiciona campo de busca. Funciona tanto nas etiquetas quanto nos atributos;

[5] Mostra o menu das camadas de maneira estendida ou retraída;

[6] Adiciona ícone de geolocalização do usuário. Ao clicar nele, a tela é centralizada a partir da sua localização;

[7] Destaca em cor amarela a camada por onde o mouse sobrepor;

[8] Campo de busca na tabela de atributos de uma camada específica;

[9] Adiciona ícone da ferramenta de mensuração de distâncias;

[10] Mostra uma etiqueta contendo as informações dos atributos ao posicionar o mouse sobre a feição escolhida.

guiaexport3

Após realizar a configuração do Web Map, é possível ver uma prévia de como ele será publicado.

Para isso, selecione o WMS (Web Map Service), isto é, mapa de fundo sobre o qual os dados serão mostrados [11]. Até a data de publicação deste artigo só está disponível a opção de usar o Open Street Map (OSM). Creio que se deve ao fato de sua licença ser livre de restrições. No entanto, gostaria que num futuro breve fossem disponibilizadas outras opções como Google Maps/Sattelite/Terrain, Bing, Esri e Here Maps, por exemplo.

Em seguida, escolha qual biblioteca de web map pretende usar [12]. OpenLayers ou Leaflet. Aqui, percebi que o OpenLayers não funciona se as camadas estiverem em projeções diferentes e que o serviço, às vezes, não conecta, deixando tudo em branco.

Depois de fazer todos esses procedimentos, é possível visualizar uma prévia de como será o resultado. Então, clique no botão de Update preview [13] e veja o resultado na janela superior [14].

Se o que foi mostrado corresponder ao seu interesse, clique em Export [15]. Ao final do processo, automaticamente seu navegador web será aberto mostrando seu Web Map.

Sem título

Note na barra de endereços do navegador que o seu mapa web se encontra salvo localmente no computador.

O desafio agora é disponibilizá-lo online. Para tal, você terá de ter um Hosting (hospedagem de sites) para que o trabalho possa alcançar o objetivo proposto.

address

Existem diversos provedores de hospedagem gratuitos, como o Google Cloud Storage e o Amazon S3, por exemplo, que podem ser boas soluções para quem tem um tráfego intenso de dados. Para soluções que exigem pouco armazenamento e baixo tráfego, recomendo o Free Web Hosting Area.

hosting

Depois de criado e acessado o serviço, transfira os dados usando o próprio site ou instale um cliente de FTP, como o Filezila ou outro de sua preferência.

Basta logar-se e fazer o upload dos dados diretamente do diretório do seu computador para (endereço local) a página recém criada (endereço remoto).

Simplesmente mova o conteúdo do lado esquerdo para o direito e aguarde finalizar a subida do arquivo.

filezila.png

Confira no link abaixo o exemplo que foi demonstrado neste artigo.

http://geodatabase.orgfree.com/#10/-9.2370/-35.4652

resultwebmap.png

Convém mencionar que o plugin qgis2web é uma boa solução para esse tipo de demanda mas ainda está em estágio inicial; assim, não oferece muitos recursos que permitam uma melhor apresentação do mapa. Um exemplo disso é que os marcadores não podem ser modificados para outra forma diferente de pontos, quando este é o caso.

Assim, finalizamos este artigo esperando que lhe seja útil. Até a próxima!