O artigo inaugural desta nova fase, agora chamada Gismo Brasil (ex-GeoParaLinux), traz um review da distribuição Linux voltada para o nicho das geotecnologias. Tive a oportunidade de instalar e testar o OSGeo Live 10.0 e apresento a seguir o relato e as impressões deste Sistema Operacional.

 

Introdução

O OSGeo Live é mantido pela Open Source Geospatial Foundation, uma organização sem fins lucrativos cuja missão é apoiar e promover o desenvolvimento colaborativo de tecnologias e dados geoespaciais abertos. E, a partir disso tem a iniciativa de disponibilizar gratuitamente para qualquer pessoa sua distribuição Linux destinada ao público GEO.

Lançada há pouco mais de 6 meses (09/08/2016), o OSGeo Live 10.0 carrega consigo um pacote “quase” completo de aplicativos geoespaciais open source instalados e pré-configurados.

Convém destacar que o usuário não se preocupará em adicionar repositórios para rodar as principais aplicações disponíveis, graças ao PPA do OSGeo Live no Launchpad do Ubuntu.

http://ppa.launchpad.net/osgeolive/release-10.0/ubuntu xenial main

Baseado no Ubuntu e com ambiente desktop LXDE, o sistema teve a preocupação de rodar em computadores mais modestos, dada a leveza desta interface gráfica, que é otimizada para hardwares desprovidos de recursos avançados; embora trabalhe tranquilamente em máquinas mais modernas.

A grande vantagem de basear-se no Ubuntu fica por conta do seu repositório, das constantes atualizações, de uma documentação farta para resolução de quaisquer problemas, além de contar com uma grande comunidade no Brasil e no mundo.

Particularmente, não sou fã deste ambiente desktop mas, considerando o propósito de sua adoção no OSGeo Live (rodar tanto em computadores antigos quanto atuais), considero um ponto favorável.

Como todo sistema baseado em Linux a personalização é uma característica marcante, tomei a iniciativa de melhorar a aparência do meu desktop sem abandonar a leveza do LXDE, baseado na dica deste site. Abaixo, segue a comparação do desktop original e o personalizado.

desktopsosgeolive10

Aplicativos Embarcados

Os programas instalados estão divididos em grupos por afinidade e podem ser acessados através do Menu principal > Geospatial, sendo eles:

a) Browser Clients

browserclients

b) Gerenciamento de Crises

gerenciamentocrises

c) Gerenciador de Bases de Dados

gerenciadorbasedados

d) Desktop GIS

desktopgis

e) Navegação e GPS

navegacaogps

f) Ferramentas Espaciais

ferramentasespaciais

g) Web Services

webservices

Para a lista completa de softwares, clique aqui.

Diante disto, não hesito em questionar o por quê de não contemplar também outras iniciativas importantes tal qual o plantel acima mencionado, como o Spring, por exemplo, que desde 2012 tornou-se open source.

Primeiras Impressões

O OSGeo Live 10.0 funciona tranquilo e sem engasgos na execução de tarefas simples como alguns geoprocessos no QGIS. Ainda não realizei procedimentos que exijem de mais poder de processamento, os quais estarei fazendo mais adiante, com o passar do tempo.

Cabe ressaltar que instalei o Sistema no meu notebook de testes que tem a seguinte configuração: Lenovo B40-30 com processador Intel Celeron Dual Core N2840 @ 2.16 GHz; 4 GB de memória RAM, HD de 500 GB e placa de vídeo Intel integrada.

Após a intalação deu para perceber que as versões dos programas encontram-se, na maioria das vezes, desatualizadas. Acredito que tratam-se de versões estáveis. Mesmo rodando o comando “dist-upgrade”, o qual atualiza a distribuição, não foram notáveis mudanças nas versões dos softwares. Por exemplo, o QGIS executa a versão 2.14 (Essen) ao passo que já se encontra na 2.18. O gvSIG ainda é o 2.2, enquanto a mais recente corresponde à 2.3.

A integração estética dos programas com o ambiente desktop deixa a desejar. Os aplicativos têm uma aparência um tanto grosseira e ultrapassada, dando uma impressão nostálgica do final da década de 1990 e início dos anos 2000.

Parecer

Recomendo a utilização desta distribuição OSGeo Live 10.0 àqueles que querem dar sobrevida a computadores modestos ou que não têm condições de investir financeiramente em equipamentos mais modernos e àqueles que não desejam ou não têm habilidades de adicionar repositórios (geralmente via linhas de comandos) a fim de instalar programas que não estão empacotados como instaladores.

Em relação à aparência, é possível instalar outras GUI (Graphical User Interface) como Gnome, KDE, XFCE, Mate, Unity e tornar a experiência mais agradável. Entretanto, esses ambientes requerem um máquina com uma configuração um pouco mais potente.

Considerações Finais

Quem desejar experimentar o OSGeo Live 10.0, pode baixar a ISO de aproximadamente 4 GB e rodar a partir de um Pendrive ou queimar um DVD para tal, clicando nos links abaixo.

Download: https://live.osgeo.org/en/download.html

Homepage: https://live.osgeo.org/en/index.html

Espero ter lhe ajudado a conhecer este importante projeto.

Até a próxima.

Participe da nossa comunidade no Telegram: https://t.me/gismobrasil